BioXcluster (2)A indústria de Biociências e, particularmente, o subsetor de saúde, é uma das maiores no mundo e uma das que cresce mais rapidamente e, tanto na Europa quanto no mundo, representa uma parte significativa das economias nacionais, com implicações para a saúde pública, crescimento econômico e geração de empregos. Entretanto, os atuais e urgentes desafios sociais requerem uma mudança na abordagem tradicional, no modelo de cuidado à saúde e nas soluções que são utilizadas hoje – esse desafio afeta todos os níveis da cadeia de valor da área de saúde.

Neste panorama, nos últimos dez anos, o fenômeno cluster vem sendo um dos componentes que transformou o desenvolvimento do setor. Clusters são grupos de empresas específicas – geralmente pequenas e médias empresas (MPEs) – e outros atores de suporte relacionados, que cooperam juntos em um local específico. Ao trabalhar juntas, as MPEs podem ser mais inovadoras, criar mais empregos e acelerar o acesso de pacientes a novos produtos, do que se elas trabalhassem sozinhas. A nível global, partindo dos hubs tradicionais, a concentração geográfica de empresas e centros de pesquisa afetou ambas a concentração de capital de risco e a capacidade de desenvolver empresas inovadoras capazes de levar resultados científicos para o mercado.

A União Europeia começou a valorizar tal tendência há alguns anos, através de uma abordagem em duas vias:

  • A criação de plataformas com o objetivo de analisar e disseminar o conhecimento sobre a formação de clusters (Por exemplo: EU Cluster Portal, European Cluster Observatory75, European Cluster Collaboration Platform (ECCP)76, entre outras).

  • O lançamento de chamadas e projetos específicos capazes de estimular a excelência no processo de gestão dos clusters (ex.: European Cluster Excellence Initiative (ECEI) da European Secretariat for Cluster Analysis (ESCA), para auxiliar o crescimento das atividades operacionais em áreas específicas tais como internacionalização bem como estimulando o papel dos clusters no auxílio aos setores emergentes.

O EU Cluster Portal complementa também a recente abordagem “Smart Specialisation” que é utilizada por formuladores de políticas regionais e nacionais para desenvolver, implementar e revisar estratégias coerentes (Research and Innovation Strategies for Smart Specialisation – RIS3).

Todas as atividades são baseadas na Commission Communication for a European Industrial Renaissance (COM 2014) que destacou que os clusters são capazes de facilitar a colaboração intersetorial e entre fronteiras, ajudando as MPEs a crescerem e

se internacionalizarem. Clusters são percebidos como uma ferramenta chave não apenas para auxiliar o crescimento de um setor específico, mas também para trazer uma perspectiva positiva dos retornos econômicos e sociais em todas as regiões europeias. Um bom exemplo dessa abordagem é a iniciativa bioXclusters.

O projeto europeu bioXclusters foi lançado em 2011 como uma das iniciativas de cluster de classe mundial, e financiado pela Direction General Enterprise of the European Commission.

O bioXclusters reuniu quatro clusters líderes em biotecnologia e no setor de saúde (Biocat – Espanha, BioM – Alemanha, bioPmed – Itália, Lyonbiopole – França) com o objetivo de fomentar a internacionalização da ampla e inovadora rede, com mais de 1000 empresas MPEs, das regiões participantes. O projeto também recebeu suporte através da experiência da agência Enterprise Rhône-Alpes International (ERAI).

O objetivo geral do projeto foi fortalecer, através da cooperação e do compartilhamento de recursos, a competitividade dos clusters de MPEs no setor de Biociências e saúde no mercado global, com quatro clusters sendo a força motriz do processo, atuando como um ponto de entrada na Europa para parceiros de negócios internacionais. Deste modo, os clusters envolvidos uniram seus conhecimentos e suas dinâmicas empresas de Biociências (que compartilham um foco em medicina personalizada), com o objetivo de alcançar massa crítica para fomentar atividades de internacionalização, tanto de entrada quantode saída. Três iniciativas piloto em países de interesse (China, Brasil e Estados Unidos) foram lançadas, seguidas de ações em outras áreas geográficas relevantes (Norte da África, Coréia do Sul e Japão), e em continuidade, a European Strategic Cluster Partherships (ESCP77) em medicina personalizada, com o objetivo de envolver outros clusters europeus na iniciativa.

 

Fabrizio Conicella
Bioindustry Park Silvano Fumero – bioPmed cluster (Piemonte, Itália)
www.biopmed.eu
 
Jordi Fàbrega
BioCat cluster (Catalunia, Espanha)
www.biocat.cat
 
Emilie Romeo
LyonBiopole (Rhone Alpes, França)
www.lyonbiopole.com
 
Stephanie Wehnelt
BioM GmbH (Bavaria, Alemanha)
www.bio-m.org
 
 
DiagnosticoEste case é parte integrante do Diagnóstico do Setor de Biociências em Minas Gerais, elaborado pela Biominas Brasil em parceria com o SEBRAE Minas. O Diagnóstico apresenta um comparativo entre o ambiente de negócios do segmento de 2004 e de 2014. O estudo analisa quatro fatores essenciais na geração de um ambiente inovador nas empresas: estratégia de pesquisa e desenvolvimento e inovação; estabelecimento de parcerias; recursos financeiros para a inovação; políticas públicas voltadas para a inovação. Este Diagnóstico traz ainda conclusões que buscam orientar as discussões entre os principais agentes envolvidos e contribuir para o avanço e a consolidação do setor de Biociências em Minas Gerais.

Faça o download gratuito do Diagnóstico completo no site da Biominas (www.biominas.org.br) e do Sebrae (www.sebrae.com.br).