Aconteceu na segunda-feira dia 21/08 o “Mind the Gap – Superando a Lacuna entre Universidade e Indústria”, uma roda de discussão que reuniu representantes do setor de inovação acadêmico e representantes da indústria farmacêutica, e que trouxe para debate os principais gargalos para inovação em saúde nas universidades Brasileiras.

O evento, organizado pela Ferring Brasil em parceira com a Biominas Brasil, contou com o apoio da Auspin (Agência USP de Inovação), e aconteceu na Arena Santander, espaço localizado dentro da USP voltado para eventos e discussões relacionados à inovação e ao empreendedorismo.

A roda de discussão contou com a presença de pesquisadores e representantes de Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) e de agências de Fomento: Alexandre Lima (Diretor Técnico de Transferência de Tecnologia da AUSPIN/USP); Prof. Newton Frateschi (Diretor Executivo da Inova Unicamp); Rita Costoya (Gerente de Transferência de Tecnologia da AUIN/UNESP); Prof. Francisco Laurindo (da Coordenação Adjunta de Ciências da Vida da Fapesp). Representando a indústria, estiveram presentes: Alexandre Seraphim (Gerente Geral da Ferring Brasil); Cláudia Wrona (Diretora de Recursos Humanos da Ferring Brasil); Robert Woolley (Gerente de Inovação da Ferring Brasil); Eduardo Emrich (Diretor Presidente da Biominas Brasil); e Laura Lunardi (Analista Técnica da Consultoria da Biominas Brasil).

Dentre todos os desafios debatidos estiveram os gargalos para transferência de tecnologia para a indústria, dificuldades para realização de P&D em saúde na Universidade, e perspectivas para o cenário de investimentos em Pesquisa em saúde Brasileiro.

Segundo a Gerente de Transferência de Tecnologia da AUIN/UNESP, Rita Costoya, o contato entre NITs e pesquisadores ainda precisa ser melhorado. O Diretor Técnico de Transferência de Tecnologia da AUSPIN/USP, Alexandre Lima, destacou que ainda é necessário um alinhamento entre a pesquisa desenvolvida na academia e as demandas da indústria para que processos de interação possam ser melhor estabelecidos.

Foi discutido o foco da pesquisa científica brasileira atual, fortemente voltada para a formação de recursos humanos, mas ainda pouco eficiente no sentido de transformar pesquisas em produtos ou serviços.

Apesar das dificuldades discutidas, os palestrantes apontaram os avanços alcançados nos últimos anos no tema de inovação no país, como o crescente interesse de investidores e grandes empresas por projetos e empresas inovadoras vindos da academia e o movimento de constituição e aceleração de startups nas áreas científicas e tecnológicas.

Foi destacada ainda existência de diversas linhas de fomento para a inovação, no entanto a dificuldade que se tem em acessá-las. Alguns exemplos citados foram casos em que a inovação não se enquadra exatamente no escopo das linhas de fomento; em outros, o pesquisador não submete sua pesquisa por desconhecer a chamada ou pela pesquisa não estar no estágio requerido; ou ainda, pelo fato do programa não financiar determinada rubrica necessária ao desenvolvimento do projeto. Esses são apenas exemplos de diversas situações em que recursos que estão disponíveis para fomentar a inovação acabam por ficar à deriva.

Este evento teve como objetivo, além de fomentar esse importante debate e conscientização, divulgar uma chamada para investimento em inovação que se encerra no dia 03/09/17. Trata-se do Programa Ferring Brazil Innovation Grants, que poderá investir até R$ 300 mil no desenvolvimento de projetos inovadores nas áreas desejadas. Inscrição e mais informações estão disponíveis em: http://biominas.org.br/ferring