Brasil e Alemanha“A biotecnologia industrial não representa uma oportunidade de negócio apenas para a Alemanha. Ela representa uma tendência mundial e exige uma abordagem global, para aproveitar as diferentes potencialidades dos países”.

O Brasil é líder em processamento de recursos biológicos no mundo, como a utilização da cana-de-açúcar para produção de açúcar e etanol, além do bagaço para a produção de energia e da vinhaça como fertilizante, e em desenvolvimento de biomateriais, biocombustíveis e biogás. Já a Alemanha é uma das maiores produtoras mundiais de biodiesel e se destaca no desenvolvimento de biomateriais. Dessa forma, os dois países apresentam muitas oportunidades de sinergias em pesquisa e desenvolvimento em bioeconomia (o conjunto de setores econômicos que utilizam recursos biológicos em seus processos produtivos) para serem exploradas.  A A avaliação foi feita por Manfred Kircher, presidente do Conselho Consultivo do  Cluster Industrielle Biotechnologie (Clib2021) na abertura do German-Brazilian Bioeconomy Forum no dia 21 de maio, na Fapesp.

O Cluster reúne empresas de pequeno, médio e grande porte, universidades e instituições de pesquisa alemãs e outros países, com o objetivo de discutir os principais desafios na produção de alimentos, agricultura sustentável e conversão e processamento de biomassa para fabricação de produtos de base biotecnológica no Brasil e na Alemanha.

Segundo Kircher, algumas das áreas de interesse comum que podem ser mais exploradas pelo Brasil e Alemanha em projetos colaborativos de pesquisa em biotecnologia são a farmacêutica, a cosmética, de embalagem e energia, entre outras.

Brasil e Alemanha2“As principais matérias-primas de origem biológica utilizadas pelas indústrias químicas alemãs hoje são, majoritariamente, óleos vegetais, seguidos pelo gás natural e carvão, em menor proporção. Mas as biorrefinarias existentes no país europeu já tentam utilizar a biomassa lignocelulósica encontrada em resíduos agrícolas para obter produtos químicos”, explica.

Cases de sucesso

Em março de 2013, uma startup sediada na Alemanha anunciou o desenvolvimento de um bioprocesso para a produção de ácido láctico – utilizado como acidulante e regulador de pH, por exemplo – a partir de miscanto, uma gramínea comum em regiões de clima subtropical na Ásia e na África. E em julho de 2013 a indústria química alemã Evonik iniciou a operação de uma planta-piloto no país europeu para a produção de um ácido aminoláurico em base biológica que substitui o laurel-lactama – produto à base de petróleo – na fabricação de plásticos de alta performance e produz um composto idêntico à resina termoplástica poliamida 12.

“No longo prazo, esse novo produto também tem potencial para complementar a produção de poliamida 12 à base de butadieno [composto químico usado na produção de borracha sintética]”, indicou Kircher.

Do lado do Brasil, o especialista alemão destacou o acordo assinado pela fabricante sueca de embalagens Tetra Pak com a empresa petroquímica brasileira Braskem para fabricar suas embalagens no Brasil à base de polietileno de baixa densidade (LDPE). Durante o projeto-piloto, a empresa pretende produzir aproximadamente 13 bilhões de toneladas de embalagens com 82% do material, fabricado por meio da conversão do etileno da cana-de-açúcar com polietileno de baixa densidade.

“A biotecnologia industrial não representa uma oportunidade de negócio apenas para a Alemanha. Ela representa uma tendência mundial e exige uma abordagem global, para aproveitar as diferentes potencialidades dos países”, revela.

Fonte: Jornal da Cana