fbpx

Aumenta o investimento em C&T no Brasil

13

ago 2015

Por:Biominas Brasil
Notícias

Os indicadores mais atuais apontam que, de 2012 para 2013, houve um incremento de 12% nos dispêndios nacionais em P&D e Atividades Científicas e Técnicas Correlatas.

Os dispêndios nacionais em ciência e tecnologia (C&T) continuam em crescimento. De acordo com os dados mais recentes, em 2013, o investimento nessa área atingiu a marca de R$ 85,6 bilhões, o equivalente a 1,66% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no mesmo período. (Veja a evolução dos dispêndios no quadro ao lado)
No ano anterior, foram aplicados em C&T R$ 76,4 bilhões (1,62% do PIB). Em 2000, o dispêndio era de R$ 15,8 bilhões. A marca de R$ 62,2 bilhões aplicados em ciência e tecnologia foi atingida em 2010.

O investimento em C&T é a soma das Atividades Científicas e Técnicas Correlatas (ACTC) e das atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D). As ACTC são ações que contribuem para a geração, difusão e aplicação do conhecimento científico, como serviços científicos e tecnológicos prestados por bibliotecas, museus de ciência, jardins botânicos, zoológicos, entre outros. Já as atividades de pesquisa e desenvolvimento englobam as pesquisas básicas e aplicadas e o desenvolvimento experimental, ou seja, é o trabalho criativo voltado para aumentar o conhecimento da instituição ou empresa e criar novas aplicações.

As principais fontes de investimento em ciência e tecnologia no Brasil são em atividades de P&D. Em 2013, foram aplicados R$ 63,7 bilhões. Os governos federal e estadual são os principais investidores (57,7%). Para estimular o setor privado a investir em atividades científicas e tecnológicas, a renúncia fiscal do governo federal, em 2013, foi de R$ 6,4 bilhões, sendo as leis de Informática (nº 10.176/2001) e do Bem (nº 11.196/2005), responsáveis por 92,1% desse total de isenção.

Apoio governamental

Os governos federal e estadual dedicam parte dos recursos para o financiamento de programas de pós-graduação. Dos R$ 36,7 bilhões aplicados pelos governos em ações de P&D, 47% são destinados a instituições de ensino superior. Os outros dispêndios compreendem bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC) e das fundações estaduais de amparo à pesquisa (FAPs) e investimentos nas entidades vinculadas ao MCTI, na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), na Fioruz, entre outras instituições científicas e tecnológicas (ICTs) públicas.

Em 2012, havia cerca de 300 mil bolsistas no País, sendo 52,8% deles apoiados por programas do CNPq, 30,6% da Capes e 16,6% das FAPs. Das bolsas financiadas pela agência de fomento ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, cerca de 63 mil, as áreas do conhecimento com maior quantidade estudantes são ciências exatas e da terra, engenharias, ciências biológicas, ciências agrárias e ciências humanas.

De acordo com a Scopus, maior base de dados de resumos e citações de literatura de revistas científicas, livros e anais de eventos, a produção brasileira de artigos, em 2013, cerca de 55 mil, correspondeu a 2,5% das publicações mundiais. As áreas com maior produção de artigos no período foram medicina, ciências biológicas e agrárias, e bioquímica, genética e biologia molecular.

Para acessar os demais indicadores de ciência e tecnologia do Brasil, acesse www.mcti.gov.br/indicadores.

Fonte: MCTI

Ainda não recebemos comentários. Seja o primeiro a deixar sua opinião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a newsletter e receba nossas novidades!

    Av. José Cândido da Silveira, 2100 - Horto, Belo Horizonte - MG, 31035 - 536

    +55 (31) 3303-0000

    biominas@biominas.org.br