Especial 03: Pesquisas e Inovações Covid 19

08

Maio 2020

Por:biominas
Biominas | Inovação | Notícias

Vacina desenvolvida pela Pfizer e BioNTech é testada em humanos 

A Pfizer e a empresa farmacêutica alemã BioNTech anunciaram que sua potencial vacina contra o coronavírus iniciou testes em humanos nos Estados Unidos na segunda-feira (04/05). Se os testes forem bem-sucedidos, a vacina poderá estar pronta para uso emergencial no país já em setembro.

As duas empresas estão desenvolvendo em conjunto uma possível vacina baseada em material genético conhecido como RNA mensageiro, que carrega as instruções para as células produzirem proteínas. Ao injetar um RNA mensageiro especialmente projetado no corpo, a vacina poderia dizer às células como produzir a proteína de pico do coronavírus sem realmente deixar uma pessoa doente. Assim, a vacina pode treinar um sistema imunológico saudável para produzir anticorpos para combater uma infecção. 

A tecnologia também tem a vantagem de ser mais rápida de produzir e tende a ser mais estável do que as vacinas tradicionais, que usam cepas de vírus enfraquecidas. Mas nenhuma vacina feita com essa tecnologia para outros vírus chegou ao mercado global.

Nos Estados Unidos, as empresas planejam testar a vacina em 360 voluntários saudáveis ​​para a primeira etapa do estudo, totalizando 8.000 voluntários até o final da segunda etapa.

Testar vários candidatos em paralelo é uma das maneiras pelas quais as empresas esperam compactar o tempo necessário para reunir provas suficientes para solicitar a aprovação de uso de emergência pela Food and Drug Administration.

Você pode ver mais detalhes da notícia no New York Times.

 

Respirador de baixo custo desenvolvido na USP

O ventilador pulmonar emergencial criado por um grupo de engenheiros da Escola Politécnica (Poli) da USP para suprir a necessidade de respiradores durante a pandemia de coronavírus foi aprovado em testes técnicos e agora será enviado para aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Além de testes em animais, foram feitos testes em 4 pacientes humanos no Hospital das Clínicas da USP. Na avaliação dos técnicos, o respirador foi considerado aprovado em todos os modos de uso e não houve nenhum problema com os pacientes ventilados.

O grupo é composto por aproximadamente 40 pesquisadores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), entre engenheiros biomédicos, mecânicos, mecatrônicos, eletrônicos e de produção, estudantes e representantes da iniciativa privada.

Você pode ver mais detalhes no link

 

Histórico de investimento em pesquisa em diversos coronavírus 

Antes da pandemia do COVID-19, o financiamento para pesquisas relacionadas aos coronavírus constituía apenas 0,5% dos gastos globais em estudos de doenças infecciosas por organizações públicas e filantrópicas. De 2000 até o início deste ano, essas organizações gastaram cerca de US$ 550 milhões em trabalho com coronavírus, de acordo com uma análise de pesquisadores da Universidade de Southampton, Reino Unido.

Os investimentos aumentaram para US $ 985 milhões desde o início do surto atual. Cerca de US$ 275 milhões em financiamento da pesquisa COVID-19 estão focados no desenvolvimento de vacinas, US$ 40 milhões em terapias de tratamento e US$ 18 milhões em testes de diagnóstico. Os pesquisadores observam que os gastos geralmente foram reativos – explicando picos em 2004 e 2015, após surtos de coronavírus que causam síndrome respiratória aguda grave e síndrome respiratória no Oriente Médio, respectivamente.

Veja na imagem:

Essa notícia foi traduzida e adaptada da artigo da revista Nature

 

Suspender o distanciamento social 

À medida que os países começam a reabrir provisoriamente escolas, empresas e espaços públicos, torna-se claro que há pouco consenso sobre como isso deve ser feito.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), as ordens de isolamento colocam em risco a vida e os meios de subsistência de pelo menos 1,6 bilhão de pessoas. Além disso, o Programa Mundial de Alimentos alerta que 265 milhões de pessoas terão fome aguda até o final de 2020. Isso aumenta a pressão para reabrir economias, porém a pandemia ainda não seguiu todo o seu curso e infecções e mortes continuam aumentando. Se as restrições forem suspensas prematuramente, os impactos do vírus podem ser prolongados.

A Organização Mundial da Saúde publicou orientações no mês passado para os países que consideram diminuir algumas restrições – conselhos que visam minimizar o risco de ressurgimento do vírus. Não há uma solução única para aliviar as restrições, no entanto por sua experiência e conhecimento, a agência recomenda que, em qualquer cenário, a transmissão da doença deve ser controlada – caso contrário, sem uma vacina, existe o risco do vírus retornar. 

Em muitos países, a transmissão não é controlada e deve ser reduzida para que os casos surjam apenas esporadicamente ou em grupos em regiões identificáveis. Isso, por sua vez, exige que os sistemas de saúde pública detectem, testem, isolem e tratem casos de infecção e localizem pessoas que estiveram em contato com os infectados. As orientações da OMS, além disso, afirmam que os países precisam minimizar a transmissão em potenciais hotspots, como casas de repouso, escolas e locais de trabalho. Esses lugares devem receber equipamentos para garantir que o distanciamento físico possa ser implementado. A agência também é clara – como a OIT – que os governos devem continuar a fornecer formas de apoio financeiro e outras para proteger os grupos mais vulneráveis.

Até primeiro de maio, de acordo com pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, nenhum país havia cumprido nem quatro dos seis critérios da OMS. Isso ocorre principalmente porque a maioria dos países (mais de 150) ainda não cumpriu o primeiro requisito – a redução do COVID-19 a casos esporádicos e clusters identificáveis. Além disso, pelo menos 50 países ainda carecem de políticas adequadas para testar, rastrear contatos e isolar indivíduos infectados.

 Veja mais aqui

 

Anticorpo monoclonal humano que bloqueia a infecção por SARS-CoV-2

Pesquisadores da Universidade de Utrecht, do Erasmus Medical Center e do Harbor BioMed (HBM) relataram que identificaram um anticorpo monoclonal totalmente humano que impede o vírus da SARS-CoV-2 (COVID-19) de infectar células cultivadas. A descoberta, publicada online na Nature Communications, é um passo inicial para o desenvolvimento de um anticorpo totalmente humano para tratar ou prevenir a doença respiratória COVID-19 causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

“Esta pesquisa baseia-se no trabalho que nossos grupos fizeram no passado em anticorpos direcionados ao SARS-CoV que surgiu em 2002/2003”, disse Berend-Jan Bosch, professor associado, líder de pesquisa da Universidade de Utrecht. O Dr. Bosch observou que o anticorpo se liga a um domínio que é conservado no SARS-CoV e no SARS-CoV-2, explicando sua capacidade de neutralizar os dois vírus. “Esse recurso de neutralização cruzada do anticorpo é muito interessante e sugere que ele pode ter potencial na mitigação de doenças causadas por outros emergentes coronavírus no futuros”.

“Esta é uma pesquisa inovadora”, disse o Dr. Jingsong Wang, Fundador, Presidente e CEO da HBM. “É necessário muito mais trabalho para avaliar se este anticorpo pode proteger ou reduzir a gravidade da doença em humanos. Esperamos avançar no desenvolvimento do anticorpo com parceiros. Acreditamos que nossa tecnologia pode contribuir para atender às necessidades mais urgentes de saúde pública e estamos buscando várias outras vias de pesquisa “.

Veja mais aqui. 

 

GOSTOU DE SABER SOBRE AS NOTÍCIAS PRINCIPAIS EM UM SÓ LUGAR?

CONFIRA TAMBÉM NOSSA ÚLTIMA EDIÇÃO E FIQUE ATENTO ÀS NOSSAS REDES SOCIAIS

Ainda não recebemos comentários. Seja o primeiro a deixar sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a newletter e receba nossas novidades!

Av. José Cândido da Silveira, 2100 - Horto, Belo Horizonte - MG, 31035 - 536

+55 (31) 3303-0000

biominas@biominas.org.br