Especial 05: Pesquisas e Inovações Covid 19

22

Maio 2020

Por:biominas
Biominas | Inovação | Notícias

Na nossa quinta edição especial sobre o coronavírus, vamos abordar temas como transmissão, estudos de sonho, mutações de vírus e rastreamento populacional via telefone. Veja abaixo os detalhes. 

 

Pacientes recuperados não transmitem o vírus de acordo com pesquisadores sul coreanos 

Pesquisadores estão encontrando evidências de que pacientes com resultado positivo para o coronavírus, após a recuperação não são capazes de transmitir a infecção e podem ter os anticorpos que os impedem de adoecer novamente.

Cientistas do Centro Coreano de Controle e Prevenção de Doenças estudaram 285 sobreviventes do Covid-19 que testaram positivo para o coronavírus após a doença ter aparentemente passado, conforme indicado por um resultado negativo anterior. Não se constatou que os chamados pacientes re-positivos espalharam qualquer infecção remanescente e as amostras de vírus coletadas não puderam ser cultivadas em cultura, indicando que os pacientes estavam eliminando partículas virais não infecciosas ou mortas.

As evidências recentes da Coréia do Sul sugerem que aqueles que se recuperaram do Covid-19 não apresentam risco de espalhar o coronavírus quando as medidas físicas de distanciamento forem relaxadas.

Os resultados significam que as autoridades de saúde da Coréia do Sul não considerarão como infeccioso tal grupo de pessoas depois de se recuperarem da doença. Uma pesquisa no mês passado mostrou que os chamados testes de PCR para o ácido nucleico do coronavírus não conseguem distinguir entre partículas de vírus mortas e viáveis, potencialmente dando a impressão errada de que alguém que dá positivo para o vírus permanece infeccioso.

A pesquisa também pode ajudar no debate sobre testes de anticorpos, que procuram marcadores no sangue que indiquem exposição ao novo coronavírus. Especialistas acreditam que os anticorpos provavelmente geram algum nível de proteção contra o vírus, mas eles ainda não há nenhuma prova sólida. Nem sabem quanto tempo duraria uma possível imunidade.

Veja mais no site da Bloomberg. 

 

Sonhos e coronavírus 

Um novo estudo brasileiro busca mapear os sonhos da população em meio à pandemia de Covid-19 e tenta entender como estamos lidando psicologicamente com a incerteza e angústias geradas pelo confinamento forçado. O estudo, que está sendo desenvolvido por um grupo de pesquisadores da USP, UFMG e UFRGS, tem como ponto de partida relatos de usuários na rede social Instagram.

O estudo ainda está em sua primeira fase, de coleta de relatos e de associações dos participantes. “É cedo para falar em resultados e tampouco em conclusão, mas podemos falar em alguns efeitos da pesquisa”, explica Mírian, uma das colaboradoras da pesquisa.

Entre as constatações iniciais, está o aparecimento de sonhos de perda, de fuga ou perseguição, de intrusão e de vulnerabilidade devido ao isolamento social.

Iannini (colaboradora da pesquisa) acrescenta outros resultados preliminares. “A partir de uma nuvem de palavras, o termo mais onipresente nos sonhos é “casa’, conta. “Os temas da pandemia e da morte aparecem, mas em geral metaforizados. Os do isolamento e da quarentena têm aparecido com mais frequência, mais literalmente. Muitas vezes, a pessoa se encontra sozinha, angustiada porque outros gozam a vida sem cumprir a quarentena e ela própria se priva, por exemplo”, diz.

O estudo não serve apenas para as análises, para entender os medos e angústias coletivas durante a pandemia de Covid-19. Ele pode ajudar cada um dos que relatam seus sonhos, dizem os cientistas.

Essa matéria foi publicada no site da BBC.

 

As mutações do coronavírus

O coronavírus é composto por uma membrana oleosa repleta de instruções genéticas para fazer milhões de cópias de si mesma. As instruções estão codificadas em 30.000 “letras” de RNA – A, C, G e U – que a célula infectada lê e traduz em muitos tipos de proteínas virais.

 

Um novo coronavírus 26. Dez.

No início de janeiro, os pesquisadores sequenciaram o primeiro genoma de um novo coronavírus. Esse primeiro genoma tornou-se a base para os cientistas rastrearem o vírus SARS-CoV-2 à medida que ele se espalha pelo mundo.

 

Um erro de RNA 8. Jan. 

Uma célula infectada por um coronavírus libera milhões de novos vírus, todos carregando cópias do genoma original. À medida que a célula copia esse genoma, às vezes comete erros, geralmente apenas uma letra errada. Esses “erros de digitação” são chamados de mutações. Um outro paciente precoce em Wuhan fez o sequenciamento, e era idêntico ao primeiro caso, exceto por uma mutação. A 186a letra do RNA era U em vez de C.

 

Um descendente, mais duas mutações 27. Fev. 

Fora de Wuhan, a mesma mutação na 186a letra do RNA foi encontrada em apenas uma outra amostra, que foi coletada sete semanas depois e a 600 milhas ao sul em Guangzhou, China. E ao longo do caminho, desenvolveu duas novas mutações: mais duas letras de RNA mudaram para U.

 

Quando as mutações importam?

As mutações geralmente alteram um gene sem alterar a proteína que ele codifica.

As proteínas são longas cadeias de aminoácidos dobradas em diferentes formas. Cada aminoácido é codificado por três letras genéticas, mas em muitos casos uma mutação na terceira letra de um trio ainda codifica o mesmo aminoácido. Essas chamadas “mutações silenciosas” não alteram a proteína resultante.

Mas as proteínas podem ser feitas de centenas ou milhares de aminoácidos. Alterar um único aminoácido geralmente não tem efeito perceptível em sua forma ou em como elas funcionam.

 

Um vírus de mutação lenta

Nesse ponto da pandemia, os genomas de coronavírus com 10 ou menos mutações são comuns e apenas um pequeno número tem mais de 20 mutações – o que ainda é menos de um décimo de 1% do genoma.

Com o tempo, os vírus podem evoluir para novas linhagens – em outras palavras, linhagens virais significativamente diferentes umas das outras. Desde janeiro, os pesquisadores sequenciaram muitos milhares de genomas de SARS-CoV-2 e rastrearam todas as mutações que surgiram. Até agora, eles não encontraram evidências convincentes de que as mutações tiveram uma mudança significativa na maneira como o vírus nos afeta.

De fato, os pesquisadores descobriram que o coronavírus está sofrendo uma mutação relativamente lenta em comparação com outros vírus de RNA, em parte porque as proteínas que atuam como “revisores de provas” são capazes de corrigir alguns erros. A cada mês, uma linhagem de coronavírus pode adquirir apenas duas mutações de uma letra. No futuro, o coronavírus poderá sofrer algumas mutações que o ajudarão a fugir do sistema imunológico. Mas a lenta taxa de mutação do coronavírus significa que essas mudanças surgirão ao longo dos anos. Isso é um bom presságio para as vacinas atualmente em desenvolvimento para o Covid-19. Se as pessoas forem vacinadas em 2021 contra o novo coronavírus, elas poderão usufruir de uma proteção que dura anos.

Os pesquisadores sequenciaram apenas uma pequena fração dos coronavírus que agora infectam mais de três milhões de pessoas em todo o mundo. Sequenciar mais genomas descobrirá mais capítulos na história do vírus, e os cientistas estão particularmente ansiosos para estudar mutações de regiões onde poucos genomas foram sequenciados, como África e América do Sul.

Leia este artigo completo no link

 

Monitoramento da população

À medida que a luta global contra a pandemia do covid-19 continua, grande parte do mundo deposita suas esperanças de facilitar os isolamentos ao poder identificar rapidamente pessoas que poderiam ter sido expostas ao vírus. Mas esse ‘rastreamento de contato’ geralmente é um processo lento e trabalhoso que depende de entrevistas pessoais e trabalho de detetive. Entra o smartphone: uma nova geração de aplicativos visa automatizar o processo de refazer os movimentos de uma pessoa para encontrar outras que possam estar infectadas – e possivelmente notificá-las o mais cedo possível.

A eficácia de tais aplicativos ainda não foi comprovada. A modelagem sugere que eles podem ajudar a retardar a propagação do vírus – mas apenas se quantidade suficiente da população usá-los. Os aplicativos também levantaram preocupações com a privacidade, porque alguns precisam armazenar dados do usuário em servidores centrais para que as pessoas sejam identificadas e rastreadas. 

Ainda assim, não há garantia de que qualquer aplicativo funcione como pretendido para ajudar a conter a pandemia. E sem testes generalizados para o vírus e sem altos níveis de absorção dos aplicativos, sua eficácia será comprometida. 

Um dos avanços mais notáveis é a parceria entre a Apple e o Google. “É incrível que eles tenham conseguido resolver isso o mais rápido possível e também em parceria “, diz Sarah Kreps, cientista política da Cornell University em Ithaca, Nova York, que estuda sistemas de vigilância e segurança cibernética.

Embora os países ainda precisem desenvolver seus próprios aplicativos para aproveitar o novo protocolo da Apple e do Google, o uso dos pseudônimos ocorre inteiramente nos telefones dos usuários. Os defensores dessa abordagem “descentralizada” incluem TraceTogether, PACT e DP-3T, todos dizendo que deram feedback à Apple e ao Google. “Estamos muito felizes porque o protocolo deles é basicamente o nosso”, diz James Larus, cientista da computação do Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Lausanne e membro do grupo DP-3T. Os pesquisadores reconhecem que a abordagem não é isenta de riscos, mas a exploração desse risco exigiria um esforço significativo dos hackers por uma recompensa aparentemente pequena. Por exemplo, eles precisavam ligar um telefone diferente toda vez que se aproximarem de uma pessoa diferente e aguardar vários dias para ver se ele relatou um resultado positivo no teste. “Existe uma pequena janela minúscula para abuso, mas é muito pequena”, diz Green.

Mas nem todos os protocolos e aplicativos propostos seguem esses princípios descentralizados. Alguns armazenam os dados de interação de todos os usuários em servidores governamentais que analisam os dados e realizam a correspondência de contatos. Os apoiadores dizem que esse modelo “centralizado” permite que as autoridades de saúde usem o banco de dados para reunir uma visão da rede de contatos, possibilitando insights epidemiológicos adicionais, revelando pontos chave de transmissão.

Mas se o banco de dados for invadido, o anonimato fornecido pelos pseudônimos rotativos será anulado e os indivíduos poderão ser rastreados com mais facilidade. Além disso, diz Kreps, “existe o risco de aumento da função e vigilância estatal”. “Acredito pouco na capacidade do governo de manter dados como este seguros”, diz Green.

Além das preocupações com a privacidade, um dos principais desafios práticos para o rastreamento de contatos por telefone é fazer medições precisas da proximidade de dois dispositivos. Outro desafio é garantir que pessoas suficientes baixem o aplicativo para torná-lo eficaz.

Veja mais aqui. 

 

GOSTOU DE SABER SOBRE AS NOTÍCIAS PRINCIPAIS EM UM SÓ LUGAR?

CONFIRA TAMBÉM COVID-19: DURANTE, DEPOIS E COMO ISSO INFLUENCIA NA SUA VIDA PROFISSIONAL

Ainda não recebemos comentários. Seja o primeiro a deixar sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a newletter e receba nossas novidades!

Av. José Cândido da Silveira, 2100 - Horto, Belo Horizonte - MG, 31035 - 536

+55 (31) 3303-0000

biominas@biominas.org.br