Em maio, a Incubadora HABITAT realizou a primeira edição do Café Empresarial de 2014 e anunciou uma série de mudanças no formato do evento.

Este ano, as edições do Café Empresarial terão o apoio do Sistema Mineiro de Inovação, o SIMI, pois passa a ser uma das atividades dentro de um grupo de ações previstas da parceria recentemente acordada entre a HABITAT e o SIMI.

Além desta novidade, o formato do Café Empresarial mudou e ficou mais dinâmico e interativo. As edições, a partir de agora, são organizadas em formato de talk show com o objetivo de ampliar o contato entre os participantes e os convidados, numa espécie de bate-papo.

Para inaugurar esta nova fase do evento, o tema escolhido foi ‘Investimentos e Relacionamento com Investidores’ e foram convidados representantes da FUNDEPAR, empresa criada pela FUNDEP (UFMG) que opera em formato de fundo de investimento para apoiar empresas oriundas de pesquisas da UFMG, da TRIAXIS Capital, um dos fundos de investimento gestor do CRIATEC I e do CRIATEC II e da empresa MYLEUS, aprovada recentemente para o programa de incubação da HABITAT e para ser investida pela FUNDEPAR.

Diferentemente de outros eventos semelhantes, não houve apresentações institucionais e os empreendedores incubados presentes foram estimuladas a fazer perguntas de maneira livre para os convidados. Deste modo, Ramon Azevedo da FUNDEPAR respondeu perguntas a respeito do que os investidores esperam dos empreendedores e quais os erros mais comuns dos empreendedores no momento da apresentação do seu negócio para um fundo. Eric Ribeiro da TRIAXIS explicou o que é o CRIATEC II e quais são as oportunidades para que as empresas incubadas possam participar. Marcela Drummond da MYLEUS contou como foi a trajetória da empresa dentro de um processo seletivo para se tornar uma empresa investida.

A Superintendente de Inovação Tecnológica da Secretaria de Estado de Ciência Tecnologia e Ensino Superior, Brenda Alves, também esteve presente e disse acreditar que “ações como esta devem ser mantidas e estimuladas sempre”. Segundo o sócio da empresa incubada VIDA BIOTECNOLOGIA, Célio Lopes, “o tema foi muito bom e bem exposto pelos participantes. A informalidade facilitou as discussões”.