Acesso a basePor Josiely de Paula, Analista Técnica da Biominas Brasil

 

Uma das etapas mais importante ao se pensar em iniciar um empreendimento é estruturar o seu plano de negócios. Para organizar tal documento, o levantamento confiável de dados é imprescindível, pois permite uma análise estratégica do ambiente externo, contribuindo para que a empresa seja mais efetiva na implantação do seu negócio.

Como ter acesso a tais dados para o setor de Biociências, no Brasil? Consultar os sites das principais agências regulatórias pode ser uma excelente estratégia para obter informações sobre empresas e produtos concorrentes. Os editais de agências de fomento são uma fonte de informação que norteia setores foco de investimentos. Publicações de pedidos de patente são importantes para monitorar tecnologias inovadoras. Estudos clínicos em suas fases iniciais (I e II) podem revelar tendências nas indústrias farmacêuticas e os de fase final (III), por sua vez, indicam produtos que poderão ser brevemente lançados no mercado. O mercado público também pode ser estimado através de informações sobre compras governamentais.

Em relação à Biotecnologia, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) apresenta a relação completa de todas instituições públicas e privadas que exercem atividades com Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no Brasil, bem como, qual o objeto de estudo ou comercialização.

No Brasil, apesar de muitos dados serem divulgados, encontra-los não é um processo trivial. Nos Estados Unidos, por exemplo, o FDA (Food and Drug Administration), órgão governamental responsável pelo controle dos medicamentos no país, apresenta os dados compilados em uma única ferramenta de buscas. Por meio de uma pesquisa simples pelo nome do medicamento é possível acessar documentos completos sobre o histórico de aprovação, saber se a droga é de prescrição ou não, consultar a bula do produto e ainda verificar se existem terapias equivalentes ao produto consultado. Para ter acesso a dados similares no Brasil, é necessário consultar pelo menos 2 diferentes ferramentas de busca no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), e ainda assim não encontraremos dados tão completos.

Outro exemplo é a relação de estudos clínicos conduzidos no país. Uma iniciativa recente é a plataforma de Registro Brasileiro de Estudos Clínicos (http://www.ensaiosclinicos.gov.br/), a qual permite acesso livre a estudos experimentais e não-experimentais conduzidos em território brasileiro, por pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Atualmente, existem um total de aproximadamente 2.500 estudos registrados. A mesma iniciativa americana, o ClinicalTrials.gov (https://clinicaltrials.gov), apresenta mais de 177.000 estudos clínicos registrados, com informações de estudos de mais de 180 países, inclusive registro de estudos conduzidos no Brasil.

Apesar de incipientes, muitas iniciativas de divulgar informações sobre o mercado brasileiro têm sido realizadas pelos órgãos públicos. No entanto, o acesso a esses dados não é muito bem explorado pelos empreendedores, seja pela falta de conhecimento ou até mesmo pela dificuldade de encontra-los nos sites das entidades de interesse.