fbpx

Como fortalecer nosso ecossistema de empresas de base científica-tecnológica?

21

jan 2022

Por:Biominas Brasil
Biominas | Empreendedorismo | Inovação | Opinião

O diagnóstico é conhecido. O financiamento público para P&D, crescimento e internacionalização poderia ser maior, o acesso à infraestrutura de pesquisa de última geração é limitado e ainda precisamos de expertise regulatória para embarcar no desenvolvimento frequente de ensaios clínicos mais desafiadores. (Fase I: Primeiro em Humano).

No entanto, vemos cada vez mais que o banco de talentos dedicado ao empreendedorismo em biotecnologia, desde a equipe de gestão, até aqueles que gerenciam propriedade intelectual e controle de qualidade e fabricação, está mais maduro e sofisticado.

Talvez falte uma rede ou comunidade técnica onde possamos falar de ciência e negócios e, assim, aproveitemos a massa crítica de profissionais que alcançamos.  

Ter redes como essas pode não apenas facilitar as instâncias de teste de novos produtos e tecnologias, mas a mesma rede também pode ser aproveitada para reciclar talentos que tentaram empreender, mas não tiveram sucesso logo de cara.

É claro que nem todos os empreendedores científicos são iguais e, portanto, ter acesso a especialistas e pessoas que possam orientá-los de forma personalizada seria fundamental.

O empreendedorismo em biotecnologia requer muito esforço, tempo e capital. No entanto, ao embarcar nisso com o apoio de uma comunidade, você aprende mais rápido, aprende mais e não se sente sozinho quando pensa que está chegando ao limite. Em suma, juntos somos muito melhores do que separados!

 

Texto traduzido do espanhol. Para ver o conteúdo original, clique aqui.

 

Ainda não recebemos comentários. Seja o primeiro a deixar sua opinião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a newsletter e receba nossas novidades!

    Av. José Cândido da Silveira, 2100 - Horto, Belo Horizonte - MG, 31035 - 536

    +55 (31) 3303-0000

    biominas@biominas.org.br